O Risco dos Carboidratos

Carboidratos processados podem agredir mais o coração do que as gorduras saturadas, segundo artigo publicado na Scientific American deste mês

A+ A- Alterar tamanho da letra
Carboidratos processados podem agredir mais o coração do que as gorduras saturadas, segundo artigo publicado na Scientific American deste mês
Desde 1970 os americanos reduziram a porcentagem de calorias1 provenientes de gorduras saturadas2, mas os índices de obesidade3 durante este período mais do que dobraram. Os índices de diabetes4 triplicaram e as doenças cardíacas ainda são a maior causa de morte na população.

Pesquisas recentes, incluindo uma meta-análise de mais de uma dúzia de estudos, sugerem que os carboidratos processados5, os quais muitos americanos comem hoje em dia no lugar das gorduras saturadas2, podem aumentar o risco de obesidade3, diabetes4 e de doenças cardíacas mais do que a ingestão de gorduras saturadas2 - um achado que tem implicações sérias para os novos guidelines aguardados para este ano.

Em março, o American Journal of Clinical Nutrition publicou uma meta-análise que relacionou os hábitos alimentares de aproximadamente 350 mil pessoas e o risco de desenvolver doenças cardiovasculares6 durante um período de 5 a 23 anos. A análise, coordenada por Ronald M. Krauss, diretor de pesquisas sobre aterosclerose7 do Children's Hospital Oakland Research Institute, não encontrou associações entre a quantidade de gorduras saturadas2 consumidas e o risco de doenças cardiovasculares6.

Meir Stampfer é professor de nutrição8 e epidemiologia da Harvard School of Public Health e um dos autores de um estudo publicado no New England Journal of Medicine que acompanhou 322 obesos por dois anos quando eles adotaram uma das três dietas: dieta de baixo consumo de gorduras - dieta de restrição calórica baseada no guideline da American Heart Association; dieta Mediterrânea9 - dieta de restrição calórica rica em vegetais e pobre em carnes vermelhas; dieta com baixo consumo de carboidratos, sem restrição calórica. Embora os que fizeram a dieta com baixo consumo de carboidratos tenham comido mais gorduras saturadas2, eles terminaram o estudo com os níveis mais saudáveis de HDL10 e LDL colesterol11 e perderam duas vezes mais peso do que os que ingeriram pouca gordura saturada12.

No Journal of the American Medical Association, outro estudo avaliou 65 mil mulheres e observou que as que ingeriram carboidratos  mais rapidamente absorvidos - os quais têm alto índice glicêmico - tinham uma probabilidade 47% maior de adquirir diabetes mellitus13 tipo 2 do que aquelas que ingeriram alimentos de índices glicêmicos baixos (a quantidade de gordura14 ingerida não afetou o risco de diabetes4).

Ainda não se sabe se estas observações farão parte do Dietary Guidelines for Americans de 2010, atualizado a cada cinco anos. Até o momento, a recomendação americana é de limitar a ingestão calórica como um todo, independente da fonte.

Ninguém está dizendo que as pessoas devem começar a ingerir gorduras saturadas2 em qualquer quantidade. O que está sendo mostrado é que as gorduras saturadas2 podem ser neutras, comparadas aos efeitos dos carboidratos processados5 e açúcares refinados como os encontrados em alguns cereais, pães, massas e biscoitos. Substituir gorduras saturadas2 por carboidratos de alto índice glicêmico pode não só não trazer benefícios, como, pelo contrário, causar danos ao organismo.

Fonte: Scientific American de maio de 2010